Radar da Bola

Festa chilena em Kazan

Claudio Bravo foi o grande herói do duelo entre Chile e Portugal nas semifinais da Copa das Confederações. Transcorridos 120 minutos de persistência no placar de 0 a 0 na Arena Kazan, nesta quarta-feira, o goleiro chileno chamou para si a responsabilidade, defendeu três pênaltis e classificou sua equipe para a grande decisão, em São Petersburgo, no próximo domingo. Vidal, Aránguiz e Sánchez converteram suas cobranças para os chilenos, e Quaresma, Moutinho e Nani pararam nas defesas do arqueiro adversário.

Após 120 minutos em que as estrelas em campo deixaram um pouco a desejar com um empate em 0 a 0 na Arena Kazan, nesta quarta-feira, Claudio Bravo chamou para si a responsabilidade, defendeu três pênaltis e classificou sua equipe apara a grande decisão, em São Petersburgo, no próximo domingo. Vidal, Aránguiz e Sánchez converteram suas cobranças para os chilenos, e Quaresma, Moutinho e Nani pararam nas defesas do arqueiro adversário.

Primeiro tempo

O começo do jogo foi digno da expectativa gerada antes da bola rolar. Bastaram dois minutos para Bravo fazer uma boa defesa em chute de André Gomes, antes de duas chances claras de gol: uma para cada lado. Aos seis, Vargas teve seu chute defendido por Rui Patrício, e André Silva viu Bravo salvar sua finalização após belo passe de Cristiano Ronaldo, um minuto depois. Portugal conseguiu controlar a bola e trazer perigo cercando a área chilena até a metade da etapa. Aos 28, Aránguiz quase marcou de cabeça – e a partir daí o Chile foi quem viveu melhor momento, mas sem implementar tanta pressão.

Segundo tempo

O começo do segundo tempo alternou bons momentos das duas equipes. Portugal conseguiu pressionar, mas não teve espaço para finalizar. O Chile foi mais efetivo e perdeu uma chance com Vidal cabeceando por cima, aos oito, e uma finalização de Vargas defendida lindamente por Rui Patrício, aos 11. Os lusos conseguiram responder na sequência com seu astro, CR7, batendo forte e vendo Bravo defender. A partida ficou corrida, com muitas recuperações de bola no meio de campo e poucos ataques proveitosos. Cristiano tentou finalizar de novo aos 26, mas foi travado por Vargas e viu a bola passar bem perto do gol. A tensão ficou clara na atmosfera da partida com o passar dos minutos e a aproximação de uma prorrogação. CR7 teve outra chance aos 39, cabeceando para fora.

Prorrogação

Portugal tentou tomar a iniciativa no começo da prorrogação, e o Chile tentou manter a marcação sob pressão na medida do possível. A grande chance – talvez do jogo – veio aos cinco minutos, quando Alexis Sánchez subiu e testou firme, mirando o canto de Rui Patrício. A bola pegou efeito e saiu ao lado do gol, bem perto da trave, arrancando suspiros de lamento de um lado, e de alívio do outro. Portugal tentou controlar o jogo no restante do primeiro tempo extra, mas no começo da etapa final viu o Chile crescer. Os chilenos tiveram nova chance com Alexis, que caiu na área ao ser pisado por José Fonte. Os sul-americanos reclamaram, mas o árbitro mandou o jogo seguir, aparentemente sem receber qualquer aviso do árbitro assistente de vídeo (VAR). A pressão chilena seguiu a ponto de Vidal chutar na trave, e, no rebote, Martin Rodríguez acertar o travessão. Os lusos ficaram nervosos e tiveram dificuldade de segurar o adversário, que tentou se aproveitar para conseguir um gol no apagar das luzes, mas não conseguiu.

Pênaltis

Vidal foi para a primeira cobrança e converteu. Na sequência, Quaresma bateu, e Bravo defendeu. Aranguiz fez o dele, e o arqueiro chileno voltou a brilhar pegando o chute de Moutinho. O Chile ficou bem perto de se classificar com a cobrança convertida de Sánchez, e Bravo novamente se destacou: pulou para o canto certo e finalizou a disputa como herói.

PORTUGAL (0)0X0(3) CHILE – COPA DAS CONFEDERAÇÕES 2017, SEMIFINAIS

Kazan Arena, em Kazan (Rússia)

Arbitragem: Alireza Faghani, auxiliado por Reza Sokhandan e Mohammadreza Mansouri (trio do Irã)

Público: 40.855 torcedores

Cartões Amarelos: William Carvalho, José Fonte, Bruno Alves, Cédric e André Silva(Portugal); Gonzalo Jara e Pablo Hernández(Chile)

Cartões Vermelhos: Nenhum

Gols: Nenhum

Portugal: Rui Patrício, Cédric, José Fonte, Bruno Alves e Eliseu; William Carvalho, Adrien Silva(João Moutinho), André Gomes(Gelson Martins) e Bernardo Silva(Quaresma); André Silva(Nani) e Cristiano Ronaldo. Técnico: Fernando Santos

Chile: Claudio Bravo, Mauricio Isla(Fuenzalida), Gary Medel, Gonzalo Jara e Beausejour; Marcelo Díaz, Charles Aránguiz, Arturo Vidal e Pablo Hernández(Francisco Silva); Eduardo Vargas(Martín Rodríguez) e Alexis Sánchez. Técnico: Juan Antonio Pizzi

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *